7 de setembro de 2011

DJALMA CORRÊA: CANDOMBLÉ - 1977

Direitos Autorais Creative Commons License As postagens deste site/blog estão registradas sob uma licença Creative Commons e podem ser reproduzidas – desde que autorizadas pelo autor e a ele creditadas – sem alterações de forma ou conteúdo.  
Postagem publicada originalmente neste site/blog, em 07 de setembro de 2011, a partir de elaboração do autor e de pesquisas realizadas principalmente na internet, constituídas de coletas de depoimentos e arquivos de imagens, áudio e vídeo cujas fontes são mencionadas e detalhadas. Eventuais cópias de trechos e compartilhamento do conteúdo da publicação são permitidos, desde que citando a fonte e a data de acesso. 
Se você encontrar o conteúdo a seguir inteiramente copiado em qualquer outro endereço na internet ou outra forma de apresentação, saiba que o autor não foi consultado ou não lhe foi solicitado nenhum tipo de autorização.



LP CANDOMBLÉ, de Djalma Corrêa: um registro sonoro da ancestralidade afro-brasileira.
 Candomblé - LP - Phonogram/Fontana - 1977 - (Fontana/Philips) - 6470 598
(Clique para ampliar)
FAIXAS:
Lado 1
1.Exu
2.Ogum
3.Oxossi
4.Ossanha
5.Obaluaê
6.Oxumarê
7.Xangô
8.Iansã
Lado 2
1.Oxum
2.Nanã
3.Yemanjá
4.Euá
5.Obá
6.Oxalá
7.Avania
Texto da Contracapa:
"Como músico e estudioso da cultura afro-brasileira, sempre considerei de fundamental importância a documentação do riquíssimo repertório oral dos povos de descendência africana no Brasil. Este é o primeiro de uma série de LPs que mostrará cânticos rituais das diversas nações que aqui chegaram, provenientes das mais diversas regiões da África. No presente trabalho reproduzimos elementos do candomblé do grupo Ketu, originário do oeste da Nigéria, e que, juntamente com outros grupos da cultura iorubá-nagô, tais como os oyó, egbádo, ijexá e sabê, sobreviveu com uma estrutura própria, vindo a influenciar - apesar de também assimilar elementos da cultura gêgê (Daomé) - as outras nações, exercendo um papel de destaque e predominância no cenário religioso nacional.
Através da preservação de suas tradições sacras, os iorubas conseguiram sobreviver como cultura viva e dinãmica através destes séculos. O registro é oportuno, dado às inevitáveis mudanças e transformações ocorridas na sociedade global.
A festa pública no terreiro inicia-se dentro do barracão com o padê (despacho para Exu), seguindo-se o xirê, cerimônia que corresponde a um convite aos orixás (divindades do panteão nagô) para que compareçam incorporando seus "filhos" (iniciados no culto). A saudação às divindades obedece a uma hierarquia própria: a abertura pertence a EXU, primeiro orixá dentro da casa de candomblé, respeitadíssimo por servir como intermediário entre os deuses e os homens, sendo que sem o seu consentimento nada se realiza.
Sauda-se Exu dizendo Laroiê! A seguir canta-se para OGUN, orixá patrono do ferro e das ferramentas, senhor da guerra - Ogunhê! OXOSSI, patrono da caça e dos caçadores, com Okê Arô! OSSANHA, senhor da vegetação, das ervas e das folhas, das poções medicinais e rituais - Eu uêu; OBALUAÊ ou OMOLÚ, patrono das doenças de pele, especialmente a varíola - Atotô!; OXUMARÊ, o arco-íris, que relaciona os dois elementos-terra e infinito -, cuja saudação é Orroboboi!; XANGÔ, deus do trovão e do raio, orixá da casa real de Oyó, Nigéria, símbolo da dinastia - Kawô Kabiesilê!; IANSÃ, deusa dos ventos e tempestades, patrona soberana dos mortos, saudada por Eparrêi!; OXUM, orixá da água, da fertilidade e das riquezas - Ora iê iê ô!; NANÃ ou NANÃ BOROCÔ, a mais velha dos orixás da água e da terra, das fontes, do barro e da agricultura - Salubá! IEMANJÁ, orixá-mãe, deusa das águas, cuja saudação é Odoiá!; EUÁ, santa guerreira, uma das mulheres de Xangô, sendo sua saudação Ri Ró!; OBÁ, terceira mulher de Xangô, guerreira temida, deusa do rio Obá (África) - Obá xi!; e o último e mais importante orixá do complexo nagô, OXALÁ, também chamado ORIXALÁ e OBATALÁ, princípio da simbologia do branco, deus da criação, da justiça e da harmonia, marido de NANÃ e pai de todos os orixás, cuja saudação é Êpa Babá!
Reza a tradição que seja contado o mínimo de três e o máximo de sete cantigas para cada divindade. Devido ao espaço decidimos gravar apenas uma para cada orixá, optando pela smenos conhecidas, ainda inéditas em disco. No candomblé Ketu usa-se o dialeto iorubá, herdado oralmente, o que poderá acarretar controvérsias quanto à pronúncia correta. Vale aqui ressaltar o fato da tradição oral preservar fundamentalmente o som da palavra.
Os instrumentos utilizados são três atabaques de diferentes tamanhos: o RUN (grande), o RUMPLI (médio) e o LÊ (pequeno), além do GÃ (agogô).
As pessoas que participam desta gravação - alabês (tocadores) e "filhas" de santo - pertencem às mais tradicionais e respeitadas casas de cultoi afro da Bahia.
DJALMA CORRÊA"

Ficha Técnica:
Coordenação de Produção: Roberto Santana
Direção de Produção: Djalma Corrêa
Capa, Fotos e Texto: Djalma Corrêa
Atabaques: Vadinho, Dudu, Alcides.
Vozes: Alice, Eliana, Vadinho, Dudu, Alcides.

Comentário:
[...] "um grande estudioso e batalhador do resgate e do registro de várias manifestações dos cultos brasileiros e neste disco contribui com o registro do grande alabê Vadinho do Gantois, acompanhado por outros excelentes músicos de outras casas da Bahia." [...]
Trecho transcrito do blog: [http://acervoayom.blogspot.com]

Ouça aqui as 15 faixas do LP Candomblé, de Djalma Corrêa:


Leia outras postagens sobre Djalma Corrêa neste blog:

6 comentários:

  1. Valioso teu trabalho, como sempre, é esencial teu aporte para a historia da música!!!!

    abrazo grande e uma pergunta: sabe que ando procurando ao músico Onias camardelli, voce tem contato com ele? ou sabe como chegar a ele? tem um email dele? abrazo grande

    diego

    ResponderExcluir
  2. Diego,

    o nosso amigo Onias Comenda é professor na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, pelo menos na época em que trabalhamos juntos, quando eu cheguei a participar do Grupo Zambo, e ali ensaiávamos. Pessoas daquela fase de trabalho: Aline Menezes, Regina e Oscar Dourado (Cacá). Não tenho contato atualmente com ninguém, mas qualquer pessoa ligada à referida escola poderá lhe dar notícias. Breve sairá um post sobre o trabalho musical do Zambo. Já sabe que eu obtendo qualquer notícia, lhe comunicarei.
    @braços, sucessos!

    ResponderExcluir
  3. Você poderia colocar as outras cantigas desse LP, pois eu só consegui 3, Grata Juliana Silva

    ResponderExcluir
  4. Cara Juliana,
    Obrigado pelo contato.
    Como a Linha do Tempo da Invenção Musical é um instrumento de pesquisa, não tem como proposta disponibilizar obras discográficas completas.
    Os exemplos que constam aqui são meramente ilustrativos e escolhidos a partir da minha identificação pessoal.
    Existem muitos sites e blogs que oferecem os materiais para downloads, mas eles também enfrentam sérios problemas referentes às questões de direitos autorais e, frequentemente, são retirados de circulação.
    Entre em contato comigo via e-mail, caso deseje maiores informações.
    Abraços,
    Roberto Luis

    ResponderExcluir
  5. ola,roberto luis,gostaria de saber se você teria como me passar um link para poder baixar essas cantigas para uso pessoal,pois sou amante das rodas cantadas e tocadas pelos mais velhos.se possivel,entre em contato.agradeço desde já. ass Anderson andrl2011@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Amigo Anderson,
    obrigado pelo comentário. Eu coloco somente alguns poucos exemplos, e apenas quando estão já disponíveis na web. Infelizmente, não disponho de outros recursos, como o link que solicitou.
    Espero que volte sempre e participe.
    Abraços,
    Roberto Luis.

    ResponderExcluir