21 de julho de 2012

FERNANDO LONA


Fernando Lona
19/03/1937, Ubaitaba-BA - 05/11/1977, Registro-SP

Natural de Ubaitaba, no Sul da Bahia, Fernando José Magalhães Lona viria iniciar sua carreira artística em Salvador, apresentando-se em programas da TV Itapoan a partir de 1962, quando participou por seis meses do programa Musical Casas Ernesto, na primeira emissora de televisão de Salvador.
Além de compositor e intérprete, Fernando Lona teve marcante atuação como ator e como diretor teatral, produzindo diversas trilhas sonoras para espetáculos e temas de novelas.
Podemos apontar como traços da personalidade criativa do compositor, além da força poética e da melodia e rítmica de traços bem nordestinos. o uso de referências da cultura popular, especialmente as rodas e cantigas infantís, a literatura de cordel, tudo isso temperado por uma carga telúrica, impregnada de sertão.
Surpreendentemente, o compositor e intérprete, que iniciara sua trajetória lado a lado com os precursores do Tropicalismo seguiria outros caminhos, (incluindo uma participação ativa em teatro e cinema) demonstrando trânsito fácil entre os artistas que seguiam a linha da Jovem Guarda: alguns compuseram com ele ou gravaram suas músicas.
Num dos primeiros dos grandes festivais de música popular, mais precisamente o festival de 1966, Fernando Lona despontou no cenário da MPB, obtendo a primeira classificação com a composição Porta Estandarte, em parceria com Geraldo Vandré.

TRAJETÓRIA ARTÍSTICA/DISCOGRAFIA


1963, agosto -  Atua na peça Boca de Ouro, de Nelson Rodrigues, dirigido por Álvaro Guimarães no antigo Teatro Oceania, em Salvador. 

1963 - Parcicipa como ator na peça A Exceção e a Regra, de Brecht.

1963 - Realiza, em Salvador, os shows individuais Terra de Ninguém, - título de uma composição de sua autoria, e Ofício de Cantar.
 

1964 - Participa dos espetáculos Nós, por exemplo… e Nova Bossa Velha & Velha Bossa Nova, no Teatro Vila Velha. Nesses shows, Fernando Lona já apresenta suas primeiras composições: Lamento do Justino, Saudade Sem Nome, Samba de Negro.
 

1963/1964 - Lamento de Justino, música composta com Orlando Sena, foi a sua primeira composição gravada, no compacto duplo editado pela gravadora CBS com as músicas do filme Grito da Terra (direção de Olney Alberto São Paulo).

1964 - Compõe para a trilha sonora do filme Grito da Terra, de Olney São Paulo.

Saudade Sem Nome 
Composição: Fernando Lona
Interpretação: Fernando Lona

Peguei a saudade toda
Botei dentro d'um gibão
Procurando quem deixou
Saudade no meu coração

Encontrando quem deixou
Saudade no meu coração
Devolvo ela inteirinha
Pois não quero sofrer não

Basta a tristeza
Da minha terra
Para fazer
A saudade crescer
Sol queima a terra
Planta não dá
Quero partir
Coração quer ficar
Aqui
Ô ô ô ô

LP Grito da Terra - Trilha sonora do filme - CBS EP nº 56.184
FAIXAS:
LADO A
1. Terra Seca (Fernando Lona)
2. Depois do Amor (Fernando Lona)
LADO B
1. Saudade Sem Nome (Fernando Lona)
2. Lamento de Justino (Fernando Lona / Orlando Senna)

1965 - Passa a morar em São Paulo
Uma vez residindo em São Paulo, compõe  músicas para o espetáculo O Desembestado, dirigido por Ariovaldo Matos, participando também como ator. 

PORTA ESTANDARTE

1966, 05 de junho - Porta Estandarte (Fernando Lona / Geraldo Vandré) ganha o primeiro lugar no Festival Nacional de Música Popular (TV Excelsior - SP)
Interpretação: Tuca e Airto Moreira

Fernando Lona compôs com Geraldo Vandré a marcha-rancho Porta Estandarte, seguindo a mesma idéia do contraponto entre as vozes de um homem e uma mulher já utilizado na canção Samba em Prelúdio, (Baden Powell / Vinicius de Moraes) que se tornara sucesso na voz de Vandré e Ana Lúcia, registrada no disco 78 RPM  Áudio Fidelity 78-091 em 1962.
A composição de Baden-Vinicius é definida por Zuza Homem de Mello como um "samba-canção chopiniano".
Lona, que encontrava-se de férias com Geraldo Vandré em Penápolis, teria composto a melodia de Porta Estandarte, e Vandré a letra, segundo o mesmo Zuza: [...] "O engenhoso esquema da canção que fizeram consiste em ter a mesma seqüência harmônica para duas melodias diferentes, a primeira cantada pelo homem, a segunda pela mulher. Ambos cantam sozinhos e depois repetem suas partes encaixadas uma na outra" [...]
Mello, Zuza Homem de. A Era dos Festivais. São Paulo: Ed. 34, 2003.

Luis Vieira, que cumpria  jornadas profissionais constantes na Bahia, apresentando programas de televisão, foi quem convidou Fernando Lona para tentar a carreira artística em São Paulo. O escritório de Vieira na rua João Adolfo, próximo à TV Excelsior,  se tornaria o dormitório improvisado de Lona por uns quatro meses, antes de vencer o II FNMP da Excelsior e dividir com Vandré o prêmio de 20 milhões.  Além de não dar continuidade à dupla, Fernando Lona não investiria na participação em outros festivais, como Vandré. Mas estabeleceu-se em São Paulo, só retornando para Salvador em 1972, onde permaneceu, ainda que viajando sempre para participar de espetáculos teatrais.


1966, junho - Uma semana após o resultado do festival, Geraldo Vandré resgistrava em vinil a música Porta Estandarte com a cantora Tuca, gravação que a Chantecler lançaria ainda no mês de junho.


1966 – Geraldo Vandré & Tuca - CPS Berimbau de Ouro - Porta Estandarte - Chantecler S 7” nº C-33.6200

FAIXAS:
A. Porta Estandarte (Fernando Lona / Geraldo Vandré)
B. Você Que Não Vem (Geraldo Vandré)


1966, novembro - Segunda gravação de Geraldo Vandré para a marcha-rancho, desta vez com Théo, Heraldo (dois violões) e coro. Esta gravação foi lançada em single e viria, posteriormente, a ser a primeira faixa do terceiro LP do cantor Cinco Anos de Canção. (Som/Maior)
 
1966 - Geraldo Vandré - Compacto Simples - Som/Maior SMCS-112
FAIXAS:
1. Porta Estandarte (Geraldo Vandré / Fernando Lona)
Com o Trio Novo (Airto Moreira / Heraldo do Monte / Théo de Barros)
2. Rosa Flor (Baden Powell / Geraldo Vandré)
Com o Trio Novo e Os 3 Moraes (Jane, Sidney e Roberto Espírito Santo)



OUTRAS GRAVAÇÕES DE PÓRTA ESTANDARTE:

1966 - Geraldo Vandré - LP Cinco Anos de Canção - Som/Maior LP SMLP 1526
FAIXA A-1. Porta Estandarte.
RGE LP 303.2001, A-1. 
1966 - Dalva de Oliveira - Lado B do compacto da Odeon - Odeon S 7” nº 7B-1971966 – Roberto Amaral - LP De Brasil - Carnaval 67 (Vários intérpretes) - Fermata LP FB 162, 
FAIXA B-1. Porta Estandarte1966 - Os Poligonais (Vicente de Paula Salvia / Edmar Antonio de Tomy "Pia" / Oswaldo / José Albino Pestana / Vidal Sbrighi / Sérgio) - LP Novas Idéias -
Farroupilha LPFA-421
FAIXA B.5. Porta Estandarte.
1967 – Dalva de Oliveira - LP A cantora do Brasil - Odeon LP MOFB 3484
FAIXAS:
B-1. Porta Estandarte
1968 – LP Helena De Lima e a Banda da Polícia Militar do Estado da Guanabara -
RGE LP XRLP 5.318
FAIXA A-4. Porta Estandarte.
Reeditado (1969) Premier PRLP 1068, A-4.


FERNANDO LONA - NOVOS COMPACTOS


1967 - Fernando Lona - Compacto simples Chantecler S 7” nº C-33.6266

FAIXAS:
A. Lá Vai Bala (Tom Zé)
B. Canto da Morte (Fernando Lona)



1968 - Compacto Fernando Lona - Som/Maior S 7” nº SMCS-203
FAIXAS:
A. Vida Vivida (Eduardo Oliveira)
B. Canção Que Ninguém Ouviu (Fernando Lona)



Vida Vivida
Composição: Eduardo Oliveira
Interpretação: Fernando Lona

Quem dera a vida vivida
Quem dera o tempo parado
Pra ver a morena querida
Vivendo do nosso lado

Quem dera a sorte bastante
Quem dera a pouca ferida
Pra ver a morte distante
E se viver a vida

A morena que eu tenho é ela
E o pouco que tenho é só dela
E a vida que eu vivo é tão pouca
Pra uma vontade que é louca

Eu quero ter o chão
Pra uma casinha amarela
De dia na vida lutando
De noite da rede cantando

Lá lá lá lá lá lá



Canção Que Ninguém Ouviu
Composição: Fernando Lona
Interpretação: Fernando Lona

Há certos dias nos dias da vida
Que a gente faz o que não quer fazer
Que a gente canta o que não quer cantar

Eu sou cantor, por isso submisso
Por compromisso que eu assinei
Hoje meu canto é por força de lei
Hoje meu canto é por força de lei

Por meu contrato canto meu sucesso
Enquanto isso vem outra nação
Um povo inteiro por justa razão
Junta o seu canto ao canto do cantor
E juntos cantam a mesma canção

Acinzentou o dia pelo mundo
A luz do palco ilumina o rosto
Da humanidade em seu divertimento
Da humanidade em seu divertimento

E pouco sabem que neste momento
Houve por gosto de outros irmãos
Matar um homem, seu pensamento
Matar um homem, seu pensamento

Ouço acordes da introdução
Entro no palco e canto a canção
Canção azul pra divertir a vida
Canção de sul, de norte, pouco importa
Contanto seja por muitos querida

De mãos aflitas vem a recompensa
Pela beleza da canção cantada
Canção vivida, bem interpretada
Canção vivida, bem interpretada

Corpo inclinado em agradecimento
As palmas cessam, o povo fica atento
Estranhamente ainda estou curvado
Estranhamente ainda estou curvado

E de repente rompe o silêncio
Com a voz de um canto que ficou calado
Quando eu cantava a canção citada
Mudei de tom e somente cantei
O hino livre que meu ódio fez

De que vale meu canto e a flor
Se meu canto não tem mais razão
Se a flor que nasceu pra ser livre
Foi cortada com sangue e canhão

Acinzentou o dia pelo mundo
A luz do palco ilumina o rosto
Da humanidade em seu divertimento
Da humanidade em seu divertimento


MENINO DE INVASÃO

1967 - LP Gosto Do Que É Bom - Shirley e o Tuca Trio - Enir E-9002
Shirley Saldanha (Gravado ao vivo no Sarau - Rio de Janeiro)
FAIXA:
6. Menino de Invasão (Fernando Lona / Geraldo Portela)
Músicos: Tuca Trio - Tuca (Contrabaixo), Paulo Santos (Piano) e Tião (Bateria)


(N/D) Compacto Duplo: Trio Xangô - Menino de Invasão -  JS Discos CJ-1004
FAIXA:
B.2. Menino de Invasão
(Fernando Lona / Geraldo Portela)
Músicos: Alcyvando Luz: Trompete / Djalma Corrêa: Bateria / Everaldo: Violão
Orlando: Contrabaixo acústico - Arranjos: Carlos Lacerda 


(N/D) Matilde Nogueira e Trio Xangô - Compacto JS Discos, CJ-1.003
FAIXA:
(?). Menino de Invasão (Fernando Lona / Geraldo Portela)
Arranjo: Carlos Lacerda
Menino de Invasão
Composição: Fernando Lona / Geraldo Portela
Interpretação: 

1. Shirley e Tuca Trio
2. Trio Xangô
3. Matilde Nogueira & Trio Xangô

Olhe o menino pobre que desce da ponte, vem lá da invasão
Sabe jogar capoeira, é bom na rasteira, aprendiz de ladrão

Chorar, menino prá que
Espera o novo dia amanhecer

Então cantarás
Cantigas de não esquecer
Na Cirandinha
No Demarré
Sorri, menino sorri

JS Discos - Resgate da Memória Musical da 1ª Gavadora da Bahia - JS Discos CD/2002
Diversos Intérpretes
Produtor: Jorge Santos
FAIXA:
18. Menino De Invasão (Fernando Lona / Geraldo Portela) Trio Xangô



1968 – Jardim de Guerra
Compõe, com
Vidal França, a trilha sonora do primeiro longa-metragem de  Neville D’Almeida.


1969 - LP Carnaval  1969 – 18 sucessos - Vários intérpretes - Som/Maior LP SMLP 1581
FAIXA:
LADO A
9. Fantasia de Nero (Jucata / Fernando Lona)

1969 – LP O Pessoal - (Fernando Lona / Vidal França / Romeu / Mily / Carlos / Veio / Luizinho) - Beverly LP BLP 9008, B-6 / Ancora (1973) ALP 20.056, B-6
FAIXAS:
LADO A
1. Sem Você Não Dá Pé (Fernando Lona / Mily)
2. Se Eu Fosse Robot (Fernando Lona / Mily)
3. A Maçã do Amor (Fernando Lona / Mily)
4. Espaço Sideral (Luizinho / Mily)
5. Atrás do Trio Elétrico (Caetano Veloso) / Vassourinha (Matias da Rocha / Joana Batista Ramos)
6. Nova Alegria (Vidal França)
LADO B
1. Pa Pa Pa (Fernando Lona / Mily)
2. Mudança (Vidal França / J. Campos)
3. Pra Que Eu Possa Deixar De Chorar (Fernando Lona)
4. Meu Amor É Pra Nós Dois (Fernando Lona / Mily)
5. Foi Você (Sergio/Xavier)
6. Um Dia (Caetano Veloso)
1969 - Compacto duplo do Quarteto Teorema (Fernando Lona / Vidal França / Nazareno / Pena Branca) - Unitas/Estúdios Reunidos – São Paulo nº UCDCD - 0001
FAIXAS:
LADO A
1. Mengo 70 (Fernando Lona / Vidal Franca / Carlos) 
2. Mudança (Vidal Franca / J. Campos)
LADO B 
1. Tudo Certo Em Seu Lugar (Fernando Lona / Mily) 
2. Aquele Abraço (Gilberto Gil)

1969, 22 de novembro - Participa da 2ª Eliminatória do V Festival da Música Popular Brasileira, concorrendo com a composição Vem Enquanto É Tempo (Moacyr Franco / Fernando Lona) Intérprete: Moacyr Franco  

1970 - Nilton César - LP - RCA Victor BBL 1538
FAIXA:
1. Eu Sou Eu (Fernando Lona)



Eu Sou Eu
Composição: Fernando Lona
Interpretação:
1. Nilton Cesar (1970/1971)
2. Luiz Vieira (1971)

Eu sou eu
Foi meu pai quem me fez assim
Quem quizer que me faça outro
Se achar que eu sou ruim

Eu sou eu...

Me entrego cego à verdade
Me desconheço no tempo
No espelho sou vaidade
Sou parte do tempo e do vento

Eu sou eu...

De mim não tem video tape
Nenhuma imitação
Já fui buscar minha origem
Encontrei gente boa e ladrão

Eu sou eu...

Na roda me fazem samba
Num teorema me explico
Pra resolver não há bamba
Cada fez mais me complico

Eu sou eu...

Sou cidadão deste mundo
Orgulho da geração
Sou sério certo e sisudo
Uma pilha em lugar do coração

Eu sou eu,
Brasileiro solteiro maior
Quem quiser que me faça outro
Se é capaz de fazer melhor

1970 - Nilton César - Compacto Simples - RCA Victor LC-6672
FAIXA:
1. Eu Sou Eu (Fernando Lona)


1971 - Luiz Vieira LP Em Tempo de Verdade -  Copacabana CLP 11660
FAIXA:
6. Eu Sou Eu (Fernando Lona)

1971 -Compacto Simples Fernando Lona - Tapecar S 7” nº CSTC 316
FAIXAS:
A. Me Dê Um Beijo Que Eu Digo (Fernando Lona / Vandick Ferreira)
B. Venha Ver O Meu País (Vidal França)
 

1972 - Compõe para a trilha sonora da novela Sol Amarelo (TV Record)
1972 - LP Sol Amarelo (Vários intérpretes) - Copacabana CLP 11681
Músicas da Novela da TV Record -

FAIXAS:1. Sol Amarelo (Fernando Lona / Gianfrancesco Guarnieri) Orquestra
2. Por Amor Eu Me Perdi (Fernando Lona) Marilene
3. Letra de Ouro (Fernando Lona) Vithal
4. Sol Amarelo [Tema de Amor] (Fernando Lona / Gianfrancesco Guarnieri)
Orquestra
5. Cantiga de Santa (Fernando Lona) Marilene
6. Cândida (Fernando Lona / Mily) Fernando Lona
7. Sol Amarelo [Tema Dramático] (Fernando Lona / Gianfrancesco Guarnieri) Orquestra
8. Não Tenho Tempo de Amor (Fernando Lona) Vithal
9. Sol Amarelo (Fernando Lona / Gianfrancesco Guarnieri) Fernando Lona / Marilene
10. Vila Rosário (Vithal / Fernando Lona) Vithal
11. Sol Amarelo (Encerramento) (Fernando Lona / Gianfrancesco Guarnieri) Orquestra


1972 - De volta à Bahia, atua numa série de peças teatrais:  Arena Conta Zumbi, de Gianfrancesco Guarnieri, As Criadas, de Jean Genet; Tio Vânia, de Tchecov; As Feras, de Vinicius de Moraes e Ato Final da Paixão, de Álvaro Guimarães, seu diretor em todos esses espetáculos.

1972 - Quincas Berro D'Água de Jorge Amado - Philips EP nº 6245 021
Trilha Sonora da peça (Vários Intérpretes)
Direção e Adaptação: João Augusto
Produção: Roberto Santana

FAIXAS:
LADO A
1. Canto de Nanã (Dorival Caymmi) MPB-4
2. Beira Mágoa (Fernando Lona / João Augusto) Nara Leão

LADO B
1. Baião de Quincas (Gereba / Patinhas) Gereba
2. Ensinança (Edil Pacheco / João Augusto) Edil Pacheco
3. Venha (Fernando Lona / João Augusto) Fernando Lona

FICHA TÉCNICA:
Direção de Produção: Roberto Santana
Estúdio: PHONOGRAM-Rio / JS GRAVAÇÕES-Salvador-Bahia

Eis o que diz Jorge Amado, na contracapa do LP:
[...] "No bolero do cabaré, onde Quitéria do Olho Arregalado chora, Fernando Lona, já consagrado, misturou lágrima e esperança. Amor é tudo que eu quero, tudo o que eu tenho para dar.
Ai de mim que triste pena, água clara, tão serena. A cantiga de ninar do mesmo Lona é o acompanhamento da morte e da ressurreição de Quincas." [...]

(Jorge Amado)
Venha
Composição: Fernando Lona / João Augusto
Interpretação: Fernando Lona

Amor, amor é tudo que eu quero
Tudo o que tenho para dar
E eu sei que o amor
Que a gente tanto espera
Quase sempre se transforma em ilusão
 
Mas tu, que amaste um dia
Que sofreste, que sabe chorar
Venha, por favor, meu companheiro
E me faça de novo acreditar
Venha e me lembra que ainda tenho
Que ainda tenho amor para dar

1973 - LP Quarteto Teorema - Tapecar LP TC 027
(Vidal França / Fernando Lona / Carlão / Romeu)

FAIXAS:
LADO A
1. Baile da Vida (Vidal França)
2. Travessia (Milton Nascimento / Fernando Brant)
3. Samba Assim Assim (Manoel Costa / Carlos Leal)
4. Corissom (Adauto Santos)
5. Pout pourri
... Das Rosas (Dorival Caymmi)
Formosa (Baden Powell / Vinicius de Moraes)
Adeus Batucada (Sinval Silva)
Levanta Mangueira (Luis Antônio)
Exaltação à Mangueira (Enéas Brites da Silva / Aloísio Augusto da Costa)
Mundo Encantado de Monteiro Lobato (Mangueira - Samba-enredo 1967) (Batista da Mangueira / Darci / Luis)
Alegria (Benito di Paula)
LADO B
1. Nosso Frevo (Vidal França)
2. Menina Minha (Fernando Lona)
3. Não Tenho Bronca de Você (Vidal França / Nazareno Vieira)
4. Sem Despedida (Vidal França)
5. Pout pourri:
Asa Branca (Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira)
Assum Preto (Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira)
Último Pau-de-arara (Venâncio / Corumba / José Guimarães)
Pau-de-arara (Guio de Morais / Luiz Gonzaga)
Fogo Pagô (Sivuca / Humberto Teixeira)
Chegança (Edu Lobo / Oduvaldo Viana Filho)
Trindade do Amor (Vidal França)

1974 - Inaugura o Teatro Gamboa, (Salvador) musicando a peça Santa Maria Egípcia


1974, janeiro - Participa da montagem do espetáculo teatral As Feras, única peça teatral de Vinicius de Moraes em Salvador.
"tragédia pau-de-arara em ato corrido"
Direção: Álvaro Guimarães
Música: Lindembergue Cardoso
Canções: Fernando Lona, Vinicius de Moraes e Folclore Nordestino
Consultar:
[http://armindobiao.blogspot.com.br/2011/09/enquanto-se-preparava-o-lancamento-da.html]
Mário Gadelha, Simone Hofmann, Waldemar Nobre, Armindo Bião e Fernando Lona  
(Foto: Tomaz Neto)
1975 - Álbum Alice no Reino Encantado - Arlequim CD AR0018 (2005)
Fernando Lona e Grupo Pierrot
FAIXAS:
1. Canção de Alice(Fernando Lona)
2. Advinhe Se Puder (Fernando Lona / Mily)
3. O Coelho Apressado (Fernando Lona / Mily)
4. O Frilo Pula-Pula (Fernando Lona / Mily)
5. Reino Encantado (Fernando Lona)
6. O Mestre Relógio (Fernando Lona)
7. Dom Ratão, O Vilão (Fernando Lona)
8. Eu Sou o Rei de Copas (Fernando Lona)
9. Dona Roseira Branca (Fernando Lona)
10. Conselho do Mestre Sapo (Fernando Lona)
11. Em Busca do Tesouro (Fernando Lona)
12. Diário de Dom Ratão (Fernando Lona)
13. É Bom Sonhar (Fernando Lona)
14. Todo Mundo Se Despede (Fernando Lona)


1977 -Compacto simples Fernando Lona - Tapecar S 7” (45 rpm) nº RTSS 703 (Portugal)
FAIXAS:
A. Fado das Gaiolas (Fernando Lona / Carlos Pita)
B. Estandarte de Couro: Brazões (Fernando Lona / Cid Seixas)


CIDADÃO DO MUNDO

1977 - LP Fernando Lona - Cidadão do Mundo
Fernando Lona - LP Cidadão Do Mundo - Tapecar LPX.43
 
 Cidadão do Mundo
Composição: Fernando Lona / Cid Seixas 
Interpretação: Fernando Lona
 
Eu sou cidadão do mundo
O tempo é minha cidade
Lugar que o vento inventou
Num dia de claridade

Clareou a escuridão
Foi o sol que clareou
Esse mundo é todo meu, meu senhor
Cidadão do mundo eu sou

O chapéu feito de couro
É a minha profissão
Boiadeiro da esperança, cidadão
Nos caminhos do coração

Eu sou cidadão do mundo
O tempo é minha cidade
Lugar que o vento inventou
Num dia de claridade

Meus olhos estão cansados
De cercas pela estrada
A vida não tem fronteira, camarada
A morte não tem espada

Quem aceita convenção
Vive preso a vida inteira
O caminho é minha casa, companheira
O amor minha bandeira
FAIXAS:
LADO A
1. Desencanto (Fernando Lona)
2. Fado Das Gaiolas (Fernando Lona / Carlos Pita)
3. Três Três (Fernando Lona)
4. Caiado (Fernando Lona & Carlos Pita)
5. Porta Estandarte  (Fernando Lona / Geraldo Vandré)
6. Queimada  (Fernando Lona)
LADO B
1. Cidadão Do Mundo  (Fernando Lona / Cid Seixas)
2. Beira-Mágoa  (Fernando Lona / João Augusto)
3. Auto Retrato (Fernando Lona)
4. Águas Do Sertão (Fernando Lona / Carlos Pita / Cesar Ubaldo)
5. ABC (Fernando Lona)
6. Estandarte De Couro: Brazões (Fernando Lona / Cid Seixas)
Parceiros... amigos.
(Foto extraída do livro Traços e Retratos da Nossa História - Aleilton Oliveira)
 
Águas do Sertão
Composição: Fernando Lona / Carlos Pita / Cesar Ubaldo
Interpretação: Fernando Lona

Fio d'água, riacho e rio
Correm no meio do mundo
Correm no meio do mundo
Correm no meio do mundo
Vão molhar meu sertão

Correm lentas e maldosas
E com elas vai a vida
Leva graveto e dormente
Feito de madeira e gente
Nas águas da despedida
Nas gaiola as carranca
Afugenta bicho bravo

Só pegando uma gaiola
Dar sumiço pelo mundo
Ou então ficar aqui
Enterrado numa rede
Desenhar horto de morte
Pra depois chorar então
E molhar o meu sertão

Nos telhados do Arruado
Feito de palha vazante
Remanso da valentia
Pilão Arcado na praça
Sento Sé de nobreza
Casa de batido chão
De reboco e de pobreza





Fernando Lona retornaria a São Paulo em 1977 para gravar o LP Cidadão do Mundo, na Tapecar. O show De Cordel a Bordel seria sua última atuação nos palcos da vida, em novembro de 1977.

1977 - Pouco tempo após lançar seu único LP de carreira, Fernando Lona editou O Romance Desastroso de Josiano e Mariana, e atuou no espetáculo De Cordel a Bordel, antes de vir a falecer, em um acidente automobilístico. 
Morando em Salvador, na época, Fernando Lona realizava jingles para a JS, única gravadora existente em Salvador até então, e esporadicamente trabalhava em São Paulo, compondo trilhas sonoras para filmes e desenhos animados didáticos, conforme texto do crítico Aramis Millarch, publicado originalmente em 08/11/1977.
[http://www.millarch.org/artigo/morte-na-estrada]

 
O Romance... - Capa de Calasans Neto e  prefácio de Jorge Amado


FERNANDO LONA - COMPOSIÇÕES:
(A lista a seguir apresenta as composições individuais e em parceria seguindo o critério da data de lançamento)

1964 Depois do Amor (Fernando Lona)
   "    Fantasia de Nero (Jucata/Fernando Lona
   "    Lamento de Justino (Fernando Lona/Orlando Senna)
   "    Samba de Negro (Fernando Lona)
   "    Saudade sem Nome (Fernando Lona)
   "    Terra Seca (Fernando Lona)
1966 Porta Estandarte (Fernando Lona/Geraldo Vandré)
   "    Terra de Ninguém (Fernando Lona)
1967 A Garça (Fernando Lona)
   "    A História da Princesa das Candeias de Amor com o Cego do Alumiar (Fernando Lona/Carlos Pita)
   "    Canto da Morte (Fernando Lona)
   "    É ou Não É (Fernando Lona)
   "    Lá Vou Eu (Fernando Lona/Luiz Vieira)
   "    Menino de Invasão (Fernando Lona/Geraldo Portela)
1968 Canção do Novo Amor (Fernando Lona)
   "    Canção Que Ninguém Ouviu (Fernando Lona)
1969 A Maçã do Amor (Fernando Lona/Mily)
   "    Mengo 70 (Fernando Lona/Vidal Franca/Carlos)
   "    Meu Amor É Pra Nós Dois (Fernando Lona/Mily)
   "    Pa Pa Pa (Fernando Lona/Mily)
   "    Pra Que Eu Possa Deixar de Chorar (Fernando Lona)
   "    Se Eu Fosse Robot (Fernando Lona/Mily)
   "    Sem Você Não Dá Pé (Fernando Lona/Mily)
   "    Tudo Certo Em Seu Lugar (Fernando Lona / Mily)
   "    Vem Enquanto É tempo (Moacyr Franco/Fernando Lona)
1970 Eu Sou Eu (Fernando Lona)
   "    Fogos de Artifício (Fernando Lona/Moacyr Franco)
   "    No No No Estamos na Nossa (Fernando Lona)
   "    Ofício de Cantar (Fernando Lona)
1971 Canção do Motorista (Fernando Lona/Nilton César)
   "    Evoê Arigó (Fernando Lona/Mily)
   "    Mafuá (Fernando Lona/Carlos Cardoso)
   "    Me Dê Um Beijo Que Eu Digo (Fernando Lona/Vandick Ferreira)
   "    Tindolelê (Fernando Lona)
1972 Beira Mágoa (Fernando Lona/João Augusto)
   "    Cândida (Fernando Lona/Mily)
   "    Cantiga de Santa (Fernando Lona)
   "    Letra de Ouro(Fernando Lona)
   "    Não Tenho Tempo de Amor (Fernando Lona)
   "    Por Amor Eu Me Perdi (Fernando Lona)
   "    Rancho da Minha Cidade (Nilton César/Fernando Lona)
   "    Sol Amarelo (Fernando Lona/Gianfrancesco Guarnieri)
   "    Sol Amarelo [Tema de Amor] (Fernando Lona/Gianfrancesco Guarnieri)
   "    Sol Amarelo [Tema Dramático] (Fernando Lona/Gianfrancesco Guarnieri)
   "    Sol Amarelo (Fernando Lona/Gianfrancesco Guarnieri)
   "    Sol Amarelo [Encerramento] (Fernando Lona/Gianfrancesco Guarnieri
   "    Venha (Fernando Lona/João Augusto)
   "    Vila Rosário (Vithal/Fernando Lona)
1973 Menina Minha (Fernando Lona)
   "    Três Três (Fernando Lona)
1974 É Minha (Fernando Lona)
   "    Es Mia (Fernando Lona– Versión en castellano: Doris Band)
1977 A B C (Fernando Lona)
   "    Águas do Sertão [Fio D'água] (Fernando Lona/Carlos Pita/César Ubaldo)
   "    Auto Retrato (Fernando Lona)
   "    Caiado (Fernando Lona/Carlos Pita)
   "    Cidadão do Mundo (Fernando Lona/Cid Seixas)
   "    Desencanto (Fernando Lona)
   "    Estandarte de Couro: Brazões (Fernando Lona/Cid Seixas)
   "    Fado das Gaiolas (Fernando Lona/Carlos Pita)
   "    Filomena no Forró (Fernando Lona/Cid Seixas)
   "    Queimada (Fernando Lona)

1978 Blue Baião (Fernando Lona)
1979 A Lua Girou (Fernando Lona/Julio Ricardo)
   "    A Princesa do Agreste e o Cantador do Elo ao Mar (Fernando Lona/Carlos Pita)
   "    A Rainha do Trançar e o Violeiro dos Esqueces (Fernando Lona/Carlos Pita)

2004 Canoa Branca (Fernando Lona/Vidal França)

196? Terno de Reis (Fernando Lona)
Fonte: http://discograficasbrasil.blogspot.com.br/

Agradecimentos especiais a Evangelina Maffei
[http://discograficasbrasil.blogspot.com.br/ - http://festivalesdempb.blogspot.com.br/ - http://caetanoendetalle.blogspot.com.br/]



FONTES DE PESQUISA:
http://ubaitaba.com/portal/?p=477
http://festivalesdempb.blogspot.com.br/  
http://discograficasbrasil.blogspot.com.br/
http://www.millarch.org/artigo/morte-na-estrada
http://cifrantiga2.blogspot.com.br/2011/01/fernando-lona.html
http://www.luizamerico.com.br/fundamentais_FERNANDOLONA.php
http://cifrantiga2.blogspot.com/2011/01/fernando-lona.html#ixzz21JH3kLeN 
http://liberatinews.blogspot.com.br/2010/12/fernando-lona-um-talento-que-cedo-ficou.html 
http://www.jobim.org/chico/bitstream/handle/2010.2/477/CB3%20PrR%20029-60%202-3.jpg?sequence=2


MELLO, Zuza Homem de. A Era dos Festivais. São Paulo: Ed. 34, 2003.
SANTANA, Amandina A. Ribeiro de, SANTOS, Milta de Azevedo. Talentos Musicais da Bahia; dos  inéditos aos inesquecíveis. Salvador: GBK, 1998.
OLIVEIRA, Aleilton. Traços e Retratos da Nossa História. Itabuna: 2010. 2ª Edição. Págs.60-61.



OUTRAS LEITURAS:
Enciclopédia da Música Brasileira - Art Editora e Publifolha - 2a. Edição - 1998
DUARTE LONA, Ana Maria. Um encanto de vida. Um canto para sempre..., Ceplac, 2007.
LONA, Fernando. O Romance Desastroso de Josiano e Mariana Ou a Gesta do Boi Menino. McGraw-Hill, 1977.

Nenhum comentário:

Postar um comentário