5 de julho de 2012

ALCYVANDO LUZ: UM COMPOSITOR E MULTI-INSTRUMENTISTA BAIANO ENTRE O ERUDITO E O POPULAR

Alcyvando Liguori da Luz
30/9/1937 Barreiras, BA - 22/4/1998 Salvador, BA

NÊGO VÉIO

Nascido em Barreiras, Oeste da Bahia, morou em Belo Horizonte até os 12 anos de idade, retornando em seguida à cidade natal. Aos cinco anos já era um pequeno músico. Solista, cantor.
Ao mudar para Salvador, passou a estudar nos Seminários Livres de Música, hoje Escola de Música da UFBA. Ali, tendo adquirido os conhecimentos mais avançados em música disponíveis na época (Harmonia, Instrumentação, Regência e Coral), tornou-se trompetista da Orquestra Sinfônica a partir de 1962.
Para Alcyvando, executar diferentes instrumentos musicais era natural: violão, trompete, sax, piano, eram alguns, mas ele dominava diversos outros. Desenvolvia afinações diferenciadas para o violão, que tocava de forma  personalística e foi um dos primeiros músicos a utilizar recursos de sintetizador neste instrumento. Na primeira gravação feita por Gilberto Gil em Salvador,  o violão foi tocado por Alcyvando Luz. Nos fonogramas registrados pelo então cantor Gilberto Gil na JS, as faixas em que Alcyvando Luz acompanhou Gil ao violão são: Serenata de Teleco-Teco; Maria Tristeza; Vontade de Amar; Meu Luar, Minhas Canções. Todas as composições são de Gilberto Gil, datadas de 1963. A primeira delas, contou ainda com a participação do músico baiano Cacau, como baterista e percussionista).
Tendo frequentado o curso de Técnico de Som em 1979, na UFBA, Alcyvando era um elemento sempre presente nas atividades e concertos realizados na Reitoria e outros locais, cuidando da microfonação e do registro em fita magnética, das apresentações.
O LP de Elomar Na Quadrada das Águas Perdidas foi um dos muitos discos gravados com a participação de Alcyvando como técnico de som, incluindo os seus próprios discos.
Entre diversas formações grupais, além da Orquestra Sinfônica, Alcyvando participou do Conjunto Universitário, (fundado por Alcyvando, com Djalma Corrêa, Maria Creuza, Roni Cócegas, Carlos Veiga). Com Gil, Caetano, Bethania, Gal, Djalma Corrêa, Fernando Lona, integrou o espetáculo produzido por Roberto Sant'Anna, Nós, Por Exemplo...
Seu maior parceiro nas composições musicais foi o escritor Carlos Coqueijo Torreão da Costa, mas compôs também com o poeta-alabê Ildásio Tavares, Djalma Corrêa, Capinan, Jairo Simoes e Cardan Dantas, entre outros.

É PRECISO PERDOAR

É Preciso Perdoar
(Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)

Em 1966 o conjunto MPB4 gravou É Preciso Perdoar, composição defendida
naquele ano pelo conjunto no I Festival Internacional da Canção. A música foi incluída no LP I Festival Internacional da Canção.

Outras gravações:

É Preciso Perdoar 
(Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)

1967 - Gaya e sua Orquestra, no LP O Grande Festival.

1967 - MPB4 no LP MPB4 - Elenco (ME-43)


1973 - João Gilberto, LP João Gilberto (Águas de Março).

1976 - Stan Getz The Best of Two Words - Featuring João Gilberto (C/ Miúcha)

1990 - Arto Lindsay e Peter Scherer (Ambitions Lovers)
1996 - Cesária Évora e Caetano Veloso e Ryuichi Sakamoto (Redhot + Rio)
1998 - Cláudia Dulth
1999 - Isabella Paz

 
É Preciso Perdoar
Composição: Alcyvando Luz / Carlos Coquejo 
Interpretação: MPB4

A madrugada já rompeu
Você vai me abandonar
Eu sinto que o perdão você não mereceu
Eu quis a ilusão, agora a dor sou eu
Pobre de quem não entendeu que a beleza de amar é se dar
e só querendo mentir nunca soube o que é perder pra encontrar
Eu sei... que é preciso perdoar
Foi você quem me ensinou que um homem como eu
Que tem por que chorar
Só sabe o que é sofrer se o pranto se acabar

É Preciso Perdoar
Composição: Alcyvando Luz / Carlos Coquejo 
Interpretação: João Gilberto

Partitura de É Preciso Perdoar, por Cristina Bhering
(Transcrição da gravação de João Gilberto - Encore 4.5.3)

O SIM PELO NÃO

O Sim Pelo Não
(Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)

1967 - Gravada por Alcyvando Luz no LP II Festival Internacional da Canção Popular (Ritmos/Codil - CDL 13003). Gravação feita ao vivo no Maracanãzinho.

1967 - Gravada pelo conjunto MPB4 no LP II Festival Internacional da Canção Popular (Philips - R765.019L).

1967 - Gravação de Agostinho dos Santos no LP Música Nossa, (Codil - CDL 13.006). A faixa traz a participação de Beth Carvalho.
Agostinho dos Santos escreve na contracapa do LP:

"Alcyvando: Pelo sim pelo não, mais um vinho, mais um papo, acabei gravando a sua música. Um abraço no Coqueijo."
Agostinho.

1967 - Coletânea MPB-4 nos Festivais da Música Popular - Compacto Duplo da Elenco (CED 7): Faixa 1 - Lado B

1968 - Versão instrumental no LP Os Maestros Premiados, (Lindolpho Gaya-Rogério Duprat). Philips (P765029L). Arranjo: Lindolpho Gaya.
Não confundir a composição de Alcyvando/Coqueijo com a música homônima:
Francis Hime - O Sim Pelo Não (Francis Hime / Edu Lobo) - Faixa 13 do LP Se Porém Fosse Portanto - 1978.

EU SOU DE OXALÁ

Eu Sou de Oxalá
(Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo) 

1967 - Incluída no LP II Festival da Canção Popular na interpretação do Quarteto em Cy.


Eu Sou de Oxalá
Composição:
Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo
Interpretação: Quarteto Em Cy

Jogue seus búzios
Pro santo dizer
Quem vai gostar de você
Leve meu nome pro seu Orixá
Lave nas águas de lá

Ah, meu amor
Não adianta fingir nem fugir
Nem querer me enganar
Vou ganhar
Sou de Oxalá
Santo forte que pega, que prende
Que manda matar de amor

Sou de Oxalá
Sou de Oxalá
Sou de Oxalá

MARIA É SÓ VOCÊ

Maria É Só Você 
(Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)

1968 - Maria É Só Você (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo) 
Interpretada pelo grupo Agora 4 no LP III Festival Internacional da Canção Popular - Rio - Vol. I (Philips R 765.062 L).

Maria É Só Você
Composição: Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo
Interpretação: Agora 4

Na escola de samba você não sai
Comigo no bloco você não vai, não
Carnaval é meu
Três dias pra esquecer
Que a vida me doeu
E na orgia
Onde há tantas Marias vou morrer, sambar

Só chego na hora do sol raiar
Esquenta o café que eu vou trabalhar, tá?
Mulher igual não há
Eu sinto o que eu lhe fiz
Mas tudo é carnaval
Não faz mal
Maria é só você
E é quem me faz feliz

1968 - Maria É Só Você incluída no LP III Festival Internacional da Canção Popular - Vol. II, na interpretação de Maria Creuza (Odeon MOFB 3566).



AYOKÁ

Ayoká
(Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)

1968 - Interpertada pelo Quarteto em Cy no disco Quarteto em Cy - Em Cy Maior ( Elenco ME-47). Produção: Aloísio de Oliveira. Arranjos: Oscar Castro Neves.

 
Ayoká 
Composição: Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo
 Interpretação: Quarteto em Cy

Uma vez Inaê cantou no mar e a sua voz
Me chamava pra seu colo de uma vez
E eu fui morar nas terras de Aioká

Quanta paz no seu reino de reinar ela me traz
Quanta lua em seus cabelos de luar
Seus cabelos se espalhando pelo mar

Iemanjá, minha noiva e minha mãe, dona do mar
Em seu pranto Orugan morreu de amor
No seu canto Janaína é a voz do mar

1968 - Regravada pelo Quarteto em Cy no LP 4/4 avec le Quarteto em Cy (lançado na França).

1980 - Versão de Alcyvando, no LP Fala Moço.

 
Ayoká 
Composição: Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo
 Interpretação: Alcyvando Luz

2008 - Releitura por Cláudia Cunha, no CD Responde à Roda.


Ayoká 
Composição: Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo
 Interpretação: Claúdia Cunha



AVE MARIA DO(S) RETIRANTE(S)

Ave Maria do Retirante
(Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)

Classificada em 8º lugar na final da fase nacional do IV Festival Internacional da Canção, quando foi interpretada por Maysa.
1969 - Clara Nunes, no LP IV Festival Internacional da Canção (Odeon MOFB 3599).

1969 - Maysa, no compacto duplo da Copacabana.


1974 - Luiz Vieira (Odeon SMOFB 3829).

1974 - Quinteto Violado, no LP A Feira (Philips 6349 115)

1977 - Fafá de Belém, no disco Água (Philips 6349 324).

1985 - Ubiratan Ferraz, no LP Meu Canto, com direção musical de Alcyvando Luz.


1993 - Xangai, no LP Bahia de Oxalá, de Alcyvando Luz. 

2004 - Clara Nunes, na coletânea extraída de compactos, encontrada na Caixa Clara Nunes - Raridades  (EMI Music 596057 2).


Ave Maria do Retirante
Composição: Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo
Interpretação: Quinteto Violado

É hora em que a morte é certa
Mas ninguém deserta se for pra lutar
No peito coração aberto, esperança perto sem querer chegar
Coragem mansa eu tive até partir
Pra não morrer de morte igual, fugi
E andei errando pela vida afora, sempre indo embora
Dei volta no mundo, vim morrer aqui

Quanta cruz no meu caminho
Faca de sol, poeira, espinho
Bom Jesus olhe por mim
Na solidão cansado eu vim


ALCYVANDO LUZ E OS FESTIVAIS DE MPB

1968 - Alcyvando conquista a 4ª classificação na final do I Festival Nacional de Música Popular Brasileira  (TV Excelsior) com Fala Moço, (Alcyvando Luz / Wilson Lins) interpretada pelo próprio Alcyvando.
1968 - Fala Moço incluída no LP O Brasil Canta no Rio - I Festival Nacional de Música Popular Brasileira (Philips R 765.059 L). Interpretação: Agora 4

Festival da TV Excelsior
Alcyvando defende em dueto com o seu irmão Alcyone Pereira da Luz Filho,  a composição O Brasil Canta no Rio (c/ Wilson Lins).

1969 -  Festival Nordestino da Música Popular - Diários Associados  no Nordeste  e Rede Tupi de Televisão.
Alcyvando classificou quatro músicas em parceria com Jairo Simões:
Um Minuto pra Cantar o Amor, Nego Malê,  Catuleco de Dendê, e Chapeuzinho Vermelho, que ficou com o 2º lugar na final.

Nego Malê 
Composição: Alcyvando Luz / Jairo Simões 
Interpretação: Alcyvando Luz

La laiá la laiá... Alah 

Fui trazido como escravo
Para as terras da Bahia
Minha vida é cor da noite
Eu quero dia

O Corão é quem me ensina
De Alah toda a verdade
E ele diz que meu caminho
É a liberdade

Ai, sangue manchou
Quente manhã de Salvador
Cem corações orações trouxeram
Da senzala, campos dos Malê

Sou servo de Alah
E seu profeta Maomé
Mas para ser, para ser escravo
De outro homem quero então morrer

Vem, vem nego Malê
Vem, vem nego Malê
Vem pra vencer, pra lutar,
Pra fazer aqui um reino de Alah

Vem, vem de branco
Vem macho e mulher
Vem, Malê
Pois Alah é quem quer

La laiá la laiá... Alah  

[Do LP Fala Moço, faixa B-4]

1969 - LP I Festival Nordestino de Música Popular, com as 12 finalistas do I Festival Nordestino (Rozenblit)
Lado B
Faixa 01 - Poema do Chapeuzinho Vermelho (Alcyvando Luz / Jairo Simões) – Bahia.
Voz: Miramar, Celeste, Atahaulpa

1970 - V Festival Internacional da Canção
Alcyvando Luz defende, como intérprete, a música Amor Pra Ficar (c/ Carlos Coqueijo).




MUSICOPOESIA

1970 - Celeste, (*) Alcyvando Luz - Musicopoesia - Compacto duplo 7 polegadas - (Gravadora JS )
FAIXAS:
Cantinguinha / Memória / Canto Sentido / Fala Moço

Musicopoesia - primeira gravação de Celeste, com Alcyvando Luz

*Celeste Vanuchi (19/4/1942 Bariri, SP)
Celeste começou a cantar na noite, em Salvador, na década de 1960, época em que teve um relacionamento com Alcyvando Luz, que sempre a acompanhava ao violão.

LP FALA MOÇO

Fala Moço - LP SOL-001
1980 - Primeiro LP de Alcyvando, editado pela Fundação Cultural do Estado da Bahia: Fala Moço.


Alcyvando em seu estúdio
"O simples
é como a natureza da terra onde
todo caminho é um só, a gente que atravessou o rio são francisco conhece o modo de ver, a fala das águas, o silêncio dos peixes, a delicadeza das violas, o encontro dos companheiros... dos companheiros que aqui nos deram uma mãozinha na realização deste disco... cumpadre, cumprida a missão inicial... luz das estrelas, sabe? não tem koré-koré... fala moço é tudo aquilo que a gente diz com o coração... sempre e sempre alcyvando luz..."
Cardan Dantas


FALA MOÇO - Alcyvando Luz - 1980 (LP-SOL-001)
Patrocínio da Fundação Cultural do Estado da Bahia
Produção: Carlos Pita

FAIXAS:
LADO A
LATOMIA DO RIO SÃO FRANCISCO
(Alcyvando Luz-Cardan Dantas-Wilson Lins)
    Latomia do Rio São Francisco
    (Alcyvando Luz / Cardan Dantas / Wilson Lins)
    Participação: Cardan Dantas
    Fala Moço
    (Alcyvando Luz / Wilson Lins)
    Participação: Cardan Dantas
1. Fala das Águas
    (Alcyvando Luz / Juraci Dórea)
2. Só Eu
    (Alcyvando Luz / Djalma Corrêa / Ildásio Tavares)
3. Caipira
    (Alcyvando Luz / Capinan)
4. Pra Que Sofrer
    (Alcyvando Luz / Ruth Pondé Luz)
5 Colonia
    (Alcyvando Luz / Carlos Drummond de Andrade)
6. Boi Zebu
LADO B
    (Alcyvando Luz / José Lins)
1. Tempo de Amor
    (Alcyvando Luz / Carlos Coquejo)
    Participação: Mirtes Santos Cruz
2. Aioká
    (Carlos Coquejo / Alcyvando Luz)
3. Somos Um
    (Alcyvando Luz / Antônio Luiz)
4. Nego Malê
    (Alcyvando Luz / Jairo Simões)
    Participação: Lui Muritiba
5. Marinheiro
    (Alcyvando Luz / Ricardo Pondé Luz)

MÚSICOS:

Paulo Bento - Flauta transversal nas faixas 1, 2 e 4, lado A
Muritiba - Viola na faixa 4, lado B
Djalma Corrêa - Percussão na faixa 2, lado A e vibrafone na faixa 4, lado A
Guimarães - Percussão na faixa 5, lado A
Helio Novaes - Acordeon na faixa 1, lado A
Alcyvando Luz - Viola, violão, flauta, piano, percussão, guitarra centro, coral, voz, baixo e efeitos.

FICHA TÉCNICA:

Gravado no estúdio: Alcyvando Luz (Salvador-Bahia)
Mixado no estúdio: Djalma Corrêa (Rio de Janeiro)
Produção: Alcyvando Luz
Direção Musical: Alcyvando Luz
Foto capa e direção de arte: Juraci Dórea
Arte: Marival / Celso Alonso / Ignez Mendes
Foto contracapa: Ieda Marques
Mixagem: Djalma Corrêa / Alcyvando Luz
Direção de Produção: Carlos Pita
Ass. de Produção: Cardan Dantas

Participação Especial:
Nilde Almeida - Piano solo em Tempo de Amor
Mirtes Santos Cruz - Canto em Tempo de Amor
Djalma Corrêa - Vibrafone em Pra que Sofrer
Cardan Dantas - Cantoria em Latomia e Rio São Francisco
Muritiba - Canto em Nego Malê
Lua - Coral em Aioká

Dedicado ao velho "Binha" meu pai.
Aos meus parceiros, amigos, meus irmãos, Djalma e Alcyone.
Obrigado.
Alcyvando.


LP BAHIA DE OXALÁ

1993 - LP Bahia de Oxalá, segundo disco autoral, editado pela Fundação Cultural do Estado da Bahia. Participações de Caetano Veloso e Xangai.

 Bahia de Oxalá - LP 17095
Foto da capa: Mário Cravo Neto

Alcyvando com Xangai (foto Gilson Macedo)
Caetano com Alcyvando (foto Márcio Lima)

Fotos do Encarte: Márcio Lima, Mara Mércia, Gilson Macedo,
Enzo Batessini e Mário Cravo Neto

FICHA TÉCNICA
Produção: Cardan Dantas e Alcyvando Luz
Direção de Produção: Cardan Dantas
Arranjos: Alcyvando Luz
Capa: Sônia Castro
Arte-Final: Sérgio e Daniel Tavares
Foto da Capa: Mário Cravo Neto
Foto da Contra-capa: Márcio Lima (Caetano Veloso e Alcyvando Luz)
Gilson Macedo (Xangai e Alcyvando)
Fotos do Encarte: Márcio Lima, Mara Mércia, Gilson Macedo, Enzo Batessini e Mário Cravo Neto
Técnicos de Gravação: Ephendy Steven e Alcyvando Luz
Mixagem: Ephendy Steven

LADO A
1 - É Preciso Perdoar (Alcyvando Luz e Carlos Coqueijo) - Caetano Veloso
2 - Catuleco de Dendê (Alcyvando Luz, Jairo Simões e Wilson Lins) - Alcyvando Luz/Débora Neves
3 - Bahia de Oxalá (Alcyvando Luz e Cardan Dantas)- Alcyvando Luz/Débora Neves
4 - Todo Medo é Morrer (Alcyvando Luz e Capinam)- Alcyvando Luz
5 - Minha Rosa (Alcyvando Luz e Carlos Coqueijo)- Alcyvando Luz/Cládudia Dulthy

LADO B
1 - Ave Maria do Retirante (Alcyvando Luz e Carlos Coqueijo) - Xangai
2 - Sustenta a Dor (Alcyvando Luz e Zé Lins) - Alcyvando Luz e Estelita
3 - Canção para o Meu Bem (Alcyvando Luz e Ildásio Tavares) - Alcyvando Luz
4 - Cidadezinha (Alcyvando Luz e Ricardo Pondé Luz - Poema de Mário Quintana) - Ricardo Pondé Luz
5 - Foi na Bahia (Alcyvando Luz e Antônio Luiz) - Alcyvando Luz

Fotos do Encarte: Márcio Lima, Mara Mércia, Gilson Macedo,
Enzo Batessini e Mário Cravo Neto

Texto de Capinan na contracapa de Bahia de Oxalá: 
"A luz de Alcyvando se esconde nas dunas da Boca do Rio. Suas composições tem a marca de uma geração que foi buscar a Bahia que não estava na superfície, mas acordava moderna e produnda de seus interiores, para emergir aqui em Salvador em muitos cantos. O jeito de suas canções vem lá do oeste baiano. Barreiras, como um rio de ondas e tomou o trem da contemporaneidade na Escola de Música da UFBA. Nos ajudou a entender que nunca nossos cantos populares, muito mais que a tradição, estava também a revolução formal que caracteriza todos os nossos criadores desde a década de 50 ou desde Caymmi. Seus parceiros deixaram a marca da nova poesia na música popular, tanto Jairo Simões, Ildásio Tavares, Zé Lins, Carlos Coqueijo como Cardan Dantas. Protegidas pelo orixá pai, neste disco, as canções de Nêgo Véio, cuidadosamente escondidas tantos verões, brilham nos tantos ritmos e vozes, que esta alma bonita, somente ela, sabe criar."
José Carlos Capinan
Texto de Alcyvando: 
"Agradecimentos a todos que participaram deste momento musical... são tantos os encontros que a música vem em pleno acorde de paz...
Canário Produções Ltda., WR Gravadora, minha família, meus amigos, meus parceiros e minha Bahia, musa maior.
Alcyvando Luz"




DISCOGRAFIA

•     II Festival Internacional da Canção Popular (1967) LP
•     Canto Sentido [S/D] DESC (Secretaria de Educação da Bahia) Compacto simples
•     Fala Moço (1980) Fundação Cultural do Estado da Bahia LP
•     Bahia de Oxalá [S/D] Fundação Cultural do Estado da Bahia LP


COMPOSIÇÕES

Aioká (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Amor pra ficar (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Ave Maria do Retirante (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Bahia de ouro e de pedra
Bahia de Oxalá (Alcyvando Luz / Cardan Dantas)
Baiano
Balanço do mar (Alcyvando Luz / Ildásio Tavares)
Bem bom no tom (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Boi Zebu (Alcyvando Luz / José Lins)
Caipira (Alcyvando Luz / Capinan)
Canção para o meu amor (Alcyvando Luz / Ildásio Tavares)
Canto sentido (Alcyvando Luz / Júlio Barata)
Catuleco de dendê (Alcyvando Luz / Jairo Simões)
Chapeuzinho Vermelho (Alcyvando Luz / Jairo Simões)
Colônia (Alcyvando Luz / Carlos Drummond de Andrade)
Desintegração (Alcyvando Luz / Djalma Corrêa / Ildásio Tavares)
Desta (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Domingo (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
É Preciso Perdoar (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Fala das águas (Alcyvando Luz / Juraci Dórea)
Fala Moço (Alcyvando Luz / Wilson Lins)
Foi na Bahia (Alcyvando Luz / Antonio Luis)
Hino da Polícia Civil da Bahia (Alcyvando Luz / Delegado Geraldo)
Hino de Barreiras
Hino de Jequié
Imagem Sonora
Latomia do rio São Francisco (Alcyvando Luz / Cardan Dantas e Wilson Lins)
Maginar (Alcyvando Luz / José Lins)
Maria é só você (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Marinheiro (Alcyvando Luz / Ricardo Ponde Luz)
Memória (Alcyvando Luz / Carlos Drummond de Andrade)
Negro Male (Alcyvando Luz / Jairo Simões)
O amor não morre não (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
O Brasil canta no Rio (Alcyvando Luz / Wilson Lins)
O Sim Pelo Não (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Pomba Gira (Alcyvando Luz / Capinan)
Pra que sofrer (Alcyvando Luz / Ruth Pondé Luz)
Primavera (Alcyvando Luz / Jairo Simões)
Retirante (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Só eu (Alcyvando Luz / Djalma Corrêa)
Somos um (Alcyvando Luz / Antonio Luiz)
Sou de Oxalá (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Sou Eu (Alcyvando Luz / Djalma Corrêa e Ildásio Tavares)
Sustenta a Dor (Alcyvando Luz / José Lins)
Tema de Rita (Alcyvando Luz / Capinan)
Tempo de amor (Alcyvando Luz / Carlos Coqueijo)
Tio Patinhas (Alcyvando Luz / Jairo Simões)
Todo medo é morrer (Alcyvando Luz / Capinam)
Um minuto pra cantar o amor (Alcyvando Luz / Jairo Simões)
Vazio sem fim (Alcyvando Luz / Ildásio Tavares)
Verde que te quero verde (Alcyvando Luz / Capinan)

Fontes:
http://www.dicionariompb.com.br/alcyvando-luz/biografia
http://www.musicapopular.org/alcyvando-luz/
http://www.memoriamusical.com.br/
http://discosdobrasil.com.br/discosdobrasil/
http://www.samba-choro.com.br/s-c/tribuna/samba-choro.0204/1114.html

Partitura de É Preciso Perdoar, contribuição de Cristina Bhering
(Transcrição da gravação de João Gilberto - Encore 4.5.3):
http://www.samba-choro.com.br/partituras/porcolaborador/vermusica?mid=8105&pos=3371


Outras Referências:
SANTANA, Amandina A. Ribeiro de, SANTOS, Milta de Azevedo - Talentos Musicais da Bahia; dos inéditos aos inesquecíveis. Salvador: GBK, 1998.  v
http://www.nordesteweb.com/not06/ne_not_20010613c.htm
http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI3777581-EI6621,00-Licoes+de+Alcivando+Luz.html
http://enquantopalavra.wordpress.com/2011/06/18/e-preciso-perdoar-alcivando-luz-e-carlos-coqueijo/

Um comentário: